Santa Exportação!

O ano de 2019 vinha com uma enorme expectativa com relação às exportações de carne bovina, que vinham no embalo de um 2018 muito bom e com diversas notícias positivas esperadas para o decorrer do ano.
Os dados de janeiro foram um pouco decepcionantes pois reportaram queda de 25,0% com relação ao embarcado em dezembro de 2018 e números praticamente estáveis em relação a janeiro do ano passado.
Houve uma certa apreensão do mercado com relação ao dólar, que chegou a testar as mínimas de R$3,65 acendendo um farol amarelo nas projeções mais otimistas.
Felizmente os dados das três primeiras semanas de fevereiro reverteram essas preocupações e retomaram um ritmo fortíssimo, com a Secretaria do Comércio Exterior (Secex) reportando embarques de 75 mil toneladas apenas nos onze primeiros dias úteis do mês.
Se esse ritmo se mantiver até o final do mês, ele representará um aumento de 30,0% contra o volume embarcado em fevereiro de 2018. Ainda mais relevante que isso são os dados de faturamento em reais das exportações, com o preço em reais por tonelada exportada subindo também 10,0% contra fev/18.
Ou seja, o cenário na exportação é o melhor possível com expansão de 30,0% em volume e alta de 10,0% no preço por tonelada.
Essa melhora nas exportações está coincidindo com um momento de maior dificuldade de compra de animais no mercado físico, com notícias de dificuldade de se alongar as escalas de abate em diversos estados, com destaque para MT, GO e MG, onde altas de preços tem ocorrido com maior força.
Essa dificuldade de compra aliada ao maior direcionamento de carne ao mercado externo tem deixado o mercado interno bastante enxuto, o que segurou os preços em alta mesmo no meio do mês, onde sazonalmente a demanda é mais comedida.
Com o dólar se segurando acima do importante nível de R$3,70, as expectativas para as exportações no restante do ano permanecem muito positivas já que existe a possibilidade de retomar os embarques para os EUA, aumentar significativamente os embarques para Rússia, iniciar embarques para Indonésia e isso sem contar com alguma melhora na demanda da China.
Esse cenário vai ser fundamental para alguma retomada de preços mais significativa do boi gordo no Brasil, já que a recuperação do consumo no mercado interno ainda anda a passos lentos e provavelmente não contribuirá de maneira significativa para altas mais consistentes.
O curtíssimo prazo tende a ser bastante positivo para os preços do boi gordo, pois teremos uma conjunção de fatores muito altista no mercado, com exportações muito fortes, mercado interno de carne enxuto, virada de mês com carnaval, que melhora demanda por cortes grill enquanto diminui os dias de abate e tudo isso associado à escalas de abates muito curtas e dificuldades de compra.
As condições para melhoras de preço estão dadas, resta saber se a boa e velha oferta x demanda confirmará os prognósticos ou não.

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.