Mercado atacadista de carne bovina: mercado interno versus externo

Depois de duas semanas consecutivas de ajustes positivos, o mercado perdeu força nos últimos sete dias. Na média de todos os cortes desossados vendidos no atacado, os preços caíram 0,3%.
Só o contra filé, um dos cortes mais nobres, teve desvalorização de 2,3% nesta semana. 
Sazonalmente, a população menos capitalizada diminui o consumo neste período do mês, o que prejudica o escoamento da carne bovina no mercado interno. 
Contudo, as margens das indústrias que fazem a desossa seguem confortáveis, pois, com a oferta de gado maior em função da desova de final de safra as escalas têm avançado com certa facilidade. 
A margem de comercialização está em 20,1%. Para uma comparação, em abril chegou próxima de 15,0%. 
Além disso a valorização do dólar também tem colaborado positivamente com a rentabilidade dos frigoríficos com as vendas externas da carne bovina. Apoiada, entre outros, nas relações conturbadas entre o Executivo e o Legislativo, no início da semana passada a moeda norte americana chegou a valer R$4,10, maior preço já registrado desde setembro de 2018. 
As exportações de carne bovina geraram um faturamento de 303,4 milhões de dólares nos primeiros 12 dias úteis deste mês. 
Se o ritmo permanecer, o total recebido ao final de maio com os embarques será de 556,2 milhões de dólares, o que representa um aumento de 34% em relação ao faturamento de abril último.
Mas vale destacar que ao longo da última semana alguma melhoria no clima político trouxe certo alívio para moeda nacional.

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.