De olho no abate de fêmeas

O mercado de reposição segue sua trajetória de alta e as cotações já acumulam valorização de 2,1% desde o início de julho.
Na comparação semanal, na média de todas as categorias de machos, fêmeas e estados pesquisados pela Scot Consultoria, as cotações subiram 0,2%.
As cotações de reposição estão subindo mais que o boi gordo. Considerando a praça de São Paulo como exemplo, a média da arroba do boi gordo está 2,4% maior do que em agosto. Já para o bezerro de desmama (6@), na mesma comparação as cotações estão 3,5% maiores. 
Com isso, o poder de compra do recriador diminuiu. Atualmente, em São Paulo, são necessárias 8,01 arrobas de boi gordo para a compra de um bezerro de desmama. Há um mês eram necessárias 7,93.
O que vale a atenção é que apesar da queda momentânea no poder de compra do recriador, o cenário para o longo prazo pode trazer boas oportunidades. 
Os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que no primeiro semestre de 2018 houve um incremento de 7,9% no volume de fêmeas destinadas ao abate  em relação ao mesmo período do ano passado, ou seja, o volume de fêmeas abatidas está crescendo desde 2017 e, consequentemente, devemos ter menor oferta de bezerros já a partir de 2019/2020.  
Se esta menor oferta de bezerros se confirmar, as cotações devem se valorizar.
Além da oportunidade de ainda aproveitar o “mercado atrativo” para a compra da cria em 2018, há ainda a possibilidade de valorização da arroba dentro do próprio sistema, uma vez que o bezerro comprado hoje deve ser vendido como boi gordo provavelmente em um momento de ciclo de alta de preços para a arroba. 

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.