Boi gordo versus bezerro desmamado: pior relação de troca dos últimos doze meses em Minas Gerais

Após um período longo de marasmo vivenciado nos últimos meses de 2018, nas primeiras semanas de janeiro o mercado de reposição em Minas Gerais começou a ganhar ritmo. 
A capacidade de suporte das pastagens e o preço do boi gordo firme, principalmente na região do Triângulo Mineiro e nas áreas mais ao sul do estado, são fatores que têm chamado a atenção dos compradores de reposição. 
Mas o momento pede cautela na reposição do rebanho da fazenda, especialmente do bezerro desmamado. 
Na comparação anual, o preço destes animais valorizou 14,0% e, como neste mesmo intervalo o preço do boi gordo não subiu na mesma intensidade (5,0%), a relação de troca piorou para o recriador, atingindo o menor patamar dos últimos 12 meses. 
Em janeiro de 2018 compravam-se 2,25 bezerros desmamados, nas condições atuais compram-se 2,04. Piora de 9,2% no poder de compra do recriador/invernista.  
Para as outras categorias de reposição o comportamento do mercado foi semelhante, mas com intensidades menores. Na média do boi magro, garrote e bezerro de ano, a relação de troca com a arroba do boi gordo piorou 5,1%. 
Para os próximos dias, é provável que este cenário se estenda, já que a entrada da segunda parte do mês pode tirar a sustentação da cotação do mercado do boi gordo.

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.