A representatividade da pecuária

 
Participação no PIB 
Em 2018 o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro foi de R$6,80 trilhões, crescimento de 1,1% frente a 2017. Essa alta foi puxada pela área de serviços (1,3%), indústria (0,6%) e a agropecuária (0,1%) de acordo com o IBGE. 
O agronegócio representou 21,1% do PIB brasileiro em 2018, totalizando R$1,44 trilhão. 
Figura 1.Participação do PIB do agronegócio no PIB nacional.Fonte: Cepea / Elaboração Scot Consultoria – www.scotconsultoria.com.br 
Dentro do PIB do agronegócio a pecuária, considerando a produção de aves, bovinos e suínos, representou R$375,30 bilhões, ou seja, 26,5%. 
Se setorizarmos o ramo pecuário em insumos, agropecuária (dentro da fazenda), indústria e serviços, a atividade dentro da porteira, representou 27,4% do PIB pecuário, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). 
Figura 2.Representatividade dos setores da pecuária no PIB pecuário.Fonte: Cepea / Elaboração Scot Consultoria – www.scotconsultoria.com.br 
Grandes números da pecuária de corte 
Entre os principais setores que compõem os custos dentro da fazenda estão a nutrição, sanidade, sementes de capim, fertilizantes e defensivos agrícolas. 
A nutrição de bovinos pode ser subdividida em dois grupos, os suplementos minerais e as rações concentradas. 
Em 2017 a produção nacional dos macros ingredientes totalizou 72,36 milhões de toneladas, desse total, 2,62 milhões de toneladas foram absorvidos pelas fábricas de ração e 3 milhões de toneladas pelas fábricas de suplementos minerais, segundo Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações). 
Entre 2013 e 2017 a demanda total de ingredientes pela atividade cresceu 24,3%. 
Ainda segundo o Sindirações, em 2018, até setembro, a produção de rações concentradas representou dois milhões de toneladas, aumento de 3,0% em relação ao mesmo período de 2017. 
Para os produtos veterinários, a bovinocultura de corte garante ao setor aproximadamente três bilhões de dólares, representando 60,0% do faturamento anual, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan).
Os produtos mais utilizados pelo ramo pecuário são endectocidas, vacinas, antibióticos e hormônios para reprodução.
Dentro do segmento de sementes, o faturamento médio anual no Brasil é de R$1,50 bilhão. Dentre as cultivares existentes, estima-se que 80% das pastagens cultivadas no país são formadas por alguma espécie de Brachiaria (Embrapa).
Já o mercado de fertilizantes possui um faturamento médio de US$14 bilhões, sendo o Brasil, o quarto consumidor de nitrogênio do mundo, o terceiro de fósforo e o segundo de potássio, segundo a Associação Nacional para Difusão de Adubos (ANDA).
Os defensivos agrícolas, possuem menos representatividade no setor pecuário. O faturamento global do setor, em 2016, foi de US$49,98 bilhões.
O Brasil representou 19,1% desse total, sendo que as pastagens foram responsáveis por 2% a 3%, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (SINDIVEG).
Conclusão
A participação da pecuária no PIB do agronegócio brasileiro é representativa. O setor movimenta bilhões por ano, além da geração de emprego para milhares de pessoas.
A produção de carne bovina está crescendo no país e as exportações atingiram níveis recordes em 2018, favorecendo a balança comercial brasileira. E o melhor, há espaço para o avanço e contínuo desenvolvimento do setor.
 
 

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.