Vice-presidente dos EUA diz que tarifas continuam até China anunciar mudanças


Advertência contrasta com declarações de Trump na sexta (16), quando disse não poder impor mais tarifas depois da China se mostrar disposta a tomar medidas para resolver as tensões comerciais. O vice-presidente dos EUA Mike Pence durante fala na cúpula da Apec, associação de países da Ásia e do Pacífico para a cooperação econômica, na Papua Nova Guiné
Farzy Ismail/Pool via Reuters
Os Estados Unidos não vão recuar na sua disputa comercial com a China e podem até mesmo dobrar as suas tarifas se o gigante asiático não aceitar as demandas norte-americanas, disse o vice-presidente do país, Mike Pence, neste sábado (17).
Em um discurso duro durante a cúpula da Apec, associação de países da Ásia e do Pacífico para a cooperação econômica, na Papua Nova Guiné, Pence desafiou a China em relação a comércio e segurança na região.
“Nós tomamos ação decisiva para lidar com o nosso desequilíbrio com a China”, declarou Pence. “Colocamos tarifas sobre 250 bilhões de dólares em bens chineses, e podemos mais do que dobrar esse número.”
“Os Estados Unidos não vão mudar a sua rota até que a China mude.”
O alerta drástico não será provavelmente bem recebido nos mercados financeiros, que esperavam por um abrandamento da disputa e talvez até algum acordo na reunião do G20 neste mês na Argentina.
O presidente Donald Trump, que não foi à reunião da Apec, deve se encontrar com o presidente chinês, Xi Jinping, na Argentina.
A advertência de Pence neste sábado contrastou com as declarações feitas por Trump na sexta-feira (16), quando disse que não pode impor mais tarifas depois que a China enviou aos Estados Unidos uma lista de medidas que estava disposta a tomar para resolver as tensões comerciais.
Entenda a escalada da guerra comercial no mundo
Juliane Almeida/G1

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.