Via Varejo tem prejuízo de R$ 875 milhões no 4º trimestre com ajustes após evidências de fraude contábil

Companhia diz ter encontrado evidências de fraudes contábeis com impacto de R$ 1,19 bilhão em seus resultados. Receita líquida no 4º trimestre cresceu 1,1%. A Via Varejo encerrou o quarto trimestre do ano passado com prejuízo contábil de R$ 875 milhões, afetado por ajustes não recorrentes de R$ 953 milhões, de acordo com dados disponíveis na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na madrugada desta quinta-feira (26).
No último trimestre de 2018, a companhia teve prejuízo de R$ 282 milhões.
Excluindo os ajustes não recorrentes, entre eles contingências de R$ 1,3 bilhão, grande parte ligada à investigação de fraude contábil, a dona das redes Casas Bahia e Ponto Frio teve um lucro operacional de R$ 78 milhões nos últimos quatro meses do ano passado.
A companhia também comunicou que foram encontradas evidências de fraude contábil em seus resultados após conclusão de investigação independente na esteira de denúncias anônimas recebidas pela Via Varejo em setembro e outubro de 2019.
Conforme o relatório, houve manipulação da provisão para processos trabalhistas da companhia e diferimento indevido na baixa de ativos e contabilização de passivos fora de suas respectivas competências mensais. Também ocorreram falhas de controles internos resultando em erros nas contas de provisão para processos trabalhistas e depósitos (garantias) judiciais.
“O valor final apurado dos ajustes às demonstrações financeiras do quatro trimestre de 2019, decorrentes dos achados da Investigação, incluindo efeitos de fraudes, erros e mudanças de estimativa, é de R$ 1,190 bilhão (R$ 786 milhões líquidos de impostos)”, afirmou em fato relevante.
Em dezembro, a companhia tinha estimado que os indícios de fraude contábil deveriam impactar o resultado do quarto trimestre em até R$ 1,4 bilhão.
Desse total, aproximadamente R$ 1,169 bilhão se refere a correção de erros e de mudanças de estimativa no intuito de refletir de maneira mais precisa os riscos da companhia e R$ 20,8 milhões aos efeitos das fraudes identificadas ao longo da investigação.
Resultados operacionais
No quarto trimestre, a Via Varejo teve receita líquida de R$ 7,6 bilhões, acréscimo de apenas 1,1% frente ao mesmo período do exercício anterior, enquanto a receita bruta cresceu 3,9%, para R$ 8,875 bilhões, com margem bruta de 30,2%, ante 26,5% um ano antes.
O GMV total, que considera as vendas totais no comércio eletrônico e nas lojas físicas, somou R$ 9,363 bilhões, aumento de 7,3% na comparação ano a ano, sendo que o GMV apenas do e-commerce cresceu 34,9%, para R$ 2,272 bilhões.
O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado totalizou R$ 605 milhões de outubro a dezembro do ano passado, uma alta de 91,4% frente ao mesmo intervalo de 2018. A margem Ebitda ajustado quase dobrou, de 4,2% para 8%.
A Via Varejo disse que encerrou o quarto trimestre com caixa líquido ajustado com recebíveis não descontados no total de R$ 2,213 bilhões, contra R$ 4,442 bilhões um ano antes. Desse total, a empresa tinha em caixa e equivalentes de caixa R$ 1,364 bilhão.

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.