Usuários do Facebook e do Instagram vão poder solicitar remoção de conteúdos para Comitê de Supervisão


Anteriormente, os usuários podiam enviar casos de conteúdo removido para o conselho, mas apenas a própria empresa podia solicitar a revisão do conteúdo deixado no site. Usuários do Facebook e do Instagram vão poder solicitar remoção de conteúdos das plataformas.
Chris Delmas/AFP
Usuários do Facebook e do Instagram agora vão poder pedir ao conselho de supervisão independente da empresa a revisão de conteúdos deixados nas plataformas. Anteriormente, apenas o comitê podia fazer esse tipo de solicitação.
O conselho é um órgão independente, que recebeu um investimento de US$ 130 milhões da rede social para funcionar como uma espécie de alta corte. A iniciativa é resposta às reclamações sobre a maneira como a rede social modera conteúdo.
Comitê de supervisão do Facebook reverte 4 decisões de moderação de conteúdo na rede social
O órgão já foi criticado por pesquisadores e grupos de direitos civis por sua competência limitada, com a nova medida, suas atribuições foram ampliadas.
Antes dessa mudança, os usuários do Facebook e do Instagram que haviam esgotado o processo de apelação podiam enviar casos de conteúdo removido para o conselho, mas apenas a própria empresa poderia solicitar que o comitê revisse o conteúdo deixado no site.
Nas próximas semanas, o conselho de supervisão também deve decidir se mantém a suspensão indefinida do Facebook do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, imposta após o motim de 6 de janeiro no Capitólio.
Facebook nomeia primeiros 20 membros de comitê que vai julgar remoção de conteúdo
As decisões do conselho, que são vinculativas e podem anular as decisões do Facebook e do seu CEO, Mark Zuckerberg, lidam apenas com uma pequena parte das decisões de conteúdo da plataforma. Ele também pode recomendar mudanças de política, apesar da empresa não precisa colocá-las em prática.
O conselho disse em uma publicação de blog que recebeu mais de 300.000 apelações de usuários desde a abertura de suas portas em outubro. Sete casos já foram decididos, de acordo com o órgão, tendo o primeiro anunciado em janeiro.
Segundo o comitê, a nova opção estava sendo lançada a partir de terça-feira e estaria disponível para todos os usuários nas próximas semanas.
VÍDEOS: segurança digital

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.