Relator da Previdência diz que trabalha com texto do governo: 'Só tem esse projeto'

Samuel Moreira (PSDB-SP) se reuniu nesta segunda com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo ele, é preciso ‘tirar a Previdência da frente’ para resolver situação ‘grave’ do país. O relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), afirmou nesta segunda-feira (20), após conversa com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que está “trabalhando em cima” do projeto apresentado pelo governo federal em março deste ano.
Ele disse que não há outro projeto em discussão, afastando a possibilidade de que seja apresentado um texto alternativo por parlamentares, como afirmado no último sábado pelo líder do governo, Major Vitor Hugo (PSL-GO).
Nesta segunda, no Rio, o presidente Jair Bolsonaro que, se o Congresso tiver uma proposta melhor do que a do governo para a reforma da Previdência, deve votá-la.
“Não há novidade. Estamos trabalhando em cima do projeto que o governo enviou. Esse é o projeto. Só tem esse projeto. Nós estamos relatando esse projeto. Não há outro, e vamos continuar assim. E se houver as alterações, será apresentado um substitutivo como sempre ocorreu na Casa, sem nenhum problema ou qualquer desentendimento”, declarou o relator.
“Na reforma [da previdência] do Temer, o Arthur Maia [então relator] apresentou um substitutivo. Porque é sempre assim quando há alterações, que vamos fazer também conversando com o governo, com os líderes partidários”, afirmou.
Samuel Moreira afirmou, entretanto, que ainda não há alterações definidas na proposta apresentada pelo Executivo em março deste ano, mas disse que o governo federal “está aberto a aceitar mudanças no projeto”.
“Há alguns [pontos] que têm grande maioria [de deputados] entendendo que se deveria alterar, mas ainda é cedo para adiantar. Vamos resolver isso. Tudo no seu tempo. Uma conversa ampla com o ministro [Guedes] sobre vários aspectos. As coisas estão andando. Há uma convergência de ideias. O governo está aberto a aceitar mudanças no projeto. Isso é importante. Eu sinto que está aberto”, declarou.
Moreira disse ainda que é preciso “tirar a Previdência da frente e resolver esse assunto”, pois o Brasil está com 13 milhões de desempregados e o país enfrenta “grave” crise.
“A gente esta vivendo uma grande crise. O governo está com um PLN [projeto de lei] na Câmara federal pedindo crédito suplementar de R$ 248 bilhões [para fechar as contas em 2019], dos quais R$ 200 bilhões são para a Previdência”, afirmou o deputado.
Segundo ele, já existem estados que estão com dificuldades para pagar a Previdência e os salários de seus servidores públicos, como Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
“A situação é grave. Por isso essa meta é uma meta coerente [fazer uma reforma que economize ao menos R$ 1 trilhão]. Vamos buscá-la. Vamos conversar com os líderes”, acrescentou Samuel Moreira.

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Relator da Previdência diz que trabalha com texto do governo: 'Só tem esse projeto'

Samuel Moreira (PSDB-SP) se reuniu nesta segunda com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo ele, é preciso ‘tirar a Previdência da frente’ para resolver situação ‘grave’ do país. O relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), afirmou nesta segunda-feira (20), após conversa com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que está “trabalhando em cima” do projeto apresentado pelo governo federal em março deste ano.
Ele disse que não há outro projeto em discussão, afastando a possibilidade de que seja apresentado um texto alternativo por parlamentares, como afirmado no último sábado pelo líder do governo, Major Vitor Hugo (PSL-GO).
Nesta segunda, no Rio, o presidente Jair Bolsonaro que, se o Congresso tiver uma proposta melhor do que a do governo para a reforma da Previdência, deve votá-la.
“Não há novidade. Estamos trabalhando em cima do projeto que o governo enviou. Esse é o projeto. Só tem esse projeto. Nós estamos relatando esse projeto. Não há outro, e vamos continuar assim. E se houver as alterações, será apresentado um substitutivo como sempre ocorreu na Casa, sem nenhum problema ou qualquer desentendimento”, declarou o relator.
“Na reforma [da previdência] do Temer, o Arthur Maia [então relator] apresentou um substitutivo. Porque é sempre assim quando há alterações, que vamos fazer também conversando com o governo, com os líderes partidários”, afirmou.
Samuel Moreira afirmou, entretanto, que ainda não há alterações definidas na proposta apresentada pelo Executivo em março deste ano, mas disse que o governo federal “está aberto a aceitar mudanças no projeto”.
“Há alguns [pontos] que têm grande maioria [de deputados] entendendo que se deveria alterar, mas ainda é cedo para adiantar. Vamos resolver isso. Tudo no seu tempo. Uma conversa ampla com o ministro [Guedes] sobre vários aspectos. As coisas estão andando. Há uma convergência de ideias. O governo está aberto a aceitar mudanças no projeto. Isso é importante. Eu sinto que está aberto”, declarou.
Moreira disse ainda que é preciso “tirar a Previdência da frente e resolver esse assunto”, pois o Brasil está com 13 milhões de desempregados e o país enfrenta “grave” crise.
“A gente esta vivendo uma grande crise. O governo está com um PLN [projeto de lei] na Câmara federal pedindo crédito suplementar de R$ 248 bilhões [para fechar as contas em 2019], dos quais R$ 200 bilhões são para a Previdência”, afirmou o deputado.
Segundo ele, já existem estados que estão com dificuldades para pagar a Previdência e os salários de seus servidores públicos, como Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
“A situação é grave. Por isso essa meta é uma meta coerente [fazer uma reforma que economize ao menos R$ 1 trilhão]. Vamos buscá-la. Vamos conversar com os líderes”, acrescentou Samuel Moreira.

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.