Ministério diz que imposto de importação do leite da Europa e da Nova Zelândia vai aumentar

De acordo com a pasta da Agricultura, taxa que foi suspensa compensava efeito da exportação dos produtos por preço ‘abaixo do custo’, o que causou prejuízos aos produtores brasileiros. O Ministério da Agricultura informou nesta terça-feira (12) em nota que o imposto de importação do leite integral, em pó e desnatado da Europa e da Nova Zelândia vai aumentar. O valor não foi informado.
Na nota, a assessoria do ministério se referiu ainda à declaração do presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Alceu Moreira (MDB-RS), segundo a qual o governo vai aumentar as taxas para compensar o fim do antidumping (barreira comercial) sobre o leite.
“Como a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, vinha defendendo, haverá um aumento da alíquota do imposto de importação do produto para compensar a perda da taxa antidumping”, diz o texto da assessoria do ministério.
No último dia 6, a Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia publicou uma circular no “Diário Oficial da União” extinguindo o antidumping sobre o leite importado da Europa e da Nova Zelândia, o que gerou críticas dos produtores.
O ministério informou que não iria se manifestar oficialmente sobre o assunto nesta terça.
Entenda a prática
O dumping consiste na venda de produtos internacionais por um preço inferior ao do mercado interno, prática considerada desleal conforme os acordos internacionais.
Os direitos antidumping visam evitar que os produtores nacionais sejam prejudicados, assim, pelos produtos importados em razão dos preços inferiores.
O antidumping, portanto, é uma taxa extra que visa compensar o país importador.
Como é a taxa
Hoje, o imposto de importação do leite em pó, por exemplo, tem alíquota de 28%. Este valor é referente à Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul. A proposta do governo, segundo a FPA, seria um aumento temporário para 42%.
“A taxa antidumping cobrada desde 2001 [14%] compensava o efeito da exportação do produto por preço abaixo do custo, causando prejuízos à produção local. A taxa foi suspensa num momento em que os produtores de leite brasileiros já encontram dificuldades decorrentes do fim de um acordo entre privados com a Argentina relativo à importação de leite em pó, o que aumentou a entrada do produto do país vizinho no Brasil”, informou o Ministério da Agricultura.

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.