Inflação turca atinge 25% em outubro, a maior em 15 anos


Índice ressalta o impacto sustentado de uma crise cambial à medida que a economia em geral perde o ritmo. Vendedora em loja de alimentos em Budapeste, na Turquia
Reuters/Laszlo Balogh
A inflação anual na Turquia subiu para 25% em outubro, mostraram dados oficiais nesta segunda-feira (5), atingindo o maior nível em 15 anos e ressaltando o impacto sustentado de uma crise cambial à medida que a economia em geral perde o ritmo.
Na comparação mensal, os preços ao consumidor subiram 2,67%, mostraram os dados do Instituto de Estatísticas da Turquia, acima dos 2% previstos em uma pesquisa da Reuters.
Entenda a crise da moeda da Turquia e os efeitos para emergentes e o Brasil
Na esteira de uma onda de queda lira que também alimentou a inflação, o governo cortou suas previsões de crescimento e economistas dizem que a Turquia registrará expansão negativa do PIB neste trimestre e no próximo, desencorajando qualquer movimento do banco central para aumentar os juros em resposta à alta inflação.
“Eu acho que o banco central vai detestar ter que aumentar os juros novamente se os dados da inflação continuarem a decepcionar, já que isso apenas tornará a recessão mais profunda”, disse Timothy Ash, estrategista da Blue Bay Asset Management.
“Eles vão assumir, com razão, que a deflação e a recessão acabarão por fazer a manobra na inflação. Mas eles precisam de tempo”.
A lira enfraquecia para 5,4390 contra o dólar por volta das 10h (horário de Brasília) de 5,43 antes. A moeda recuperou recentemente algumas perdas resultantes de uma onda de vendas motivada por preocupações sobre a capacidade do banco central de responder adequadamente ao aumento da inflação e à deterioração dos laços com Washington. A lira recuou cerca de 30% contra o dólar este ano.
Os preços do produtor subiram 0,91% em outubro, para um aumento anual de 45,01%. O núcleo da inflação subiu 24,34% na comparação anual.
A inflação de outubro foi impulsionada por um aumento de 12,74% mensal nos preços de roupas e calçados e um aumento de 4,15% nos preços da habitação, mostraram os dados.

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.