Inflação da baixa renda fica em 0,49% em fevereiro, diz FGV


Com este resultado, o indicador acumula alta de 1,10% em 2019. Preço dos alimentos.
REUTERS/Pilar Olivares
O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1), que mede a inflação para famílias com renda entre 1 e 2,5 salários mínimos, ficou em 0,49% em fevereiro, uma redução de 0,12 ponto percentual (p.p.) em relação a janeiro, informou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) nesta quinta-feira (7).
Com este resultado, o indicador acumula alta de 1,10% em 2019 e 4,81% nos últimos 12 meses. Em 2018, o IPC-C1 teve variação positiva de 4,17%, em 2018 – acima da inflação oficial (IPCA).
Em janeiro, o IPC-BR subiu 0,35%. A taxa do indicador nos últimos 12 meses ficou em 4,38%, nível abaixo do registrado pelo IPC-C1, conforme ilustra a tabela a seguir.
Nesta apuração, quatro das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram queda em suas taxas de variação. Veja quais:
Transportes (1,84% para 0,22%)
Educação, Leitura e Recreação (2,00% para -0,24%)
Despesas Diversas (0,27% para 0,08%)
Comunicação (0,01% para -0,05%)
Nestes grupos, tiveram destaque a tarifa de ônibus urbano (3,87% para 0,71%), cursos formais (6,40% para 0,00%), alimentos para animais domésticos (1,06% para -0,16%) e pacotes de telefonia fixa e internet (0,51% para 0,00%).
Educação Financeira: por que nem todos sentem a inflação?
Algumas categorias tiveram alta na taxa de variação de preços em fevereito. Veja abaixo:
Habitação (0,19% para 0,40%)
Saúde e Cuidados Pessoais (-0,02% para 0,50%)
Alimentação (0,84% para 0,97%)
Vestuário (-0,56% para -0,04%)
Nestes grupos de despesas, destacam-se os itens tarifa de eletricidade residencial (0,12% para 1,56%), artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,54% para 0,99%), hortaliças e legumes (2,37% para 6,22%) e roupas (-0,65% para 0,06%).
IPC-Fipe
O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de São Paulo registrou alta de 0,54% em fevereiro, sob pressão dos preços de alimentação, segundo a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).
O maior peso no mês foi exercido pelo grupo alimentação, de 0,4005 ponto percentual, após alta de 1,64% nos preços no mês. Por outro lado, o item despesas pessoais apresentou deflação de 0,36% em fevereiro, um impacto de -0,0486 ponto no índice do mês.
O IPC-Fipe mede as variações quadrissemanais dos preços às famílias paulistanas com renda mensal entre 1 e 10 salários mínimos.

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.