Indicador da FGV que mede tendência de emprego cai em fevereiro após 3 altas seguidas

Resultado indica maior cautela em relação à recuperação do mercado de trabalho. O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) interrompeu três meses de altas e recuou em fevereiro, indicando cautela em relação à recuperação do mercado de trabalho, mostraram nesta sexta-feira (6) dados da Fundação Getulio Vargas (FGV).
O IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, teve queda de 0,3 ponto em fevereiro, para 92 pontos.
“Depois de três altas consecutivas, o IAEmp acomodou em nível acima dos 90 pontos. O resultado mostra que apesar da trajetória positiva do mercado de trabalho nos últimos meses, a ligeira queda pode sugerir cautela com a continuidade da recuperação considerando o cenário de alta incerteza econômica”, disse o economista Rodolpho Tobler em nota.
O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), que capta a percepção das famílias sobre o mercado de trabalho, caiu 0,6 ponto no mês, chegando a 91,9 pontos, menor nível desde agosto de 2015. O comportamento do ICD é semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto menor o número, melhor o resultado.
“A terceira queda consecutiva do ICD sugere continuidade da queda da taxa de desemprego no início de 2020. O indicador se aproxima dos níveis do início da última recessão, mas se encontra em patamar elevado, mostrando que ainda há um longo caminho de recuperação”, disse Tobler.
Desemprego fica em 11,2% em janeiro, e atinge 11,9 milhões, diz IBGE
Taxa de desemprego cai para 11,2% no último trimestre, segundo o IBGE

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.