Huawei oferece pagamento de vigilância para executiva deixar cadeia


Defesa tenta liberdade para a executiva mediante fiança. Meng está presa desde a última quarta-feira, no Canadá, a pedido do governo americano. Huawei pede liberdade de executiva presa por meio de pagamento de fiança
Stringer/Reuters
Advogados da diretora financeira da Huawei, Wanzhou Meng, disseram nesta segunda-feira (10) que a empresária chinesa, presa no Canadá, pode pagar pela vigilância que garantiria sua permanência no país se a Justiça a libertar mediante pagamento de fiança.
A oferta foi feita durante audiência em um tribunal canadense, que julga se ela poderá ser esperar em liberdade a análise do pedido de extradição feito pelos Estados Unidos.
Meng, de 46 anos, foi presa pelo Canadá a pedido do governo americano no último dia 1º, em Vancouver.
Na sexta-feira (7), os promotores pediram ao Tribunal Supremo de Columbia Britânica que Meng permaneça presa até que o pedido de extradição americano seja julgado, por considerarem que a executiva chinesa pode fugir do Canadá.
No entanto, os advogados de Meng afirmaram que a diretora da Huawei e filha do fundador da empresa tem intenção de permanecer no Canadá. Caso o juiz do caso estabeleça uma fiança para libertá-la, ela permaneceria em uma das duas mansões que possui em Vancouver.
A defesa da executiva da Huawei também ofereceu pagar as despesas de duas empresas de vigilância que garantiriam sua permanência no país: uma de segurança para executivos e outra de controle eletrônico, para acompanhar seus passos fora da prisão.
Meng também afirmou em uma declaração juramentada que teme por sua saúde. Desde que foi presa, a executiva precisou ser hospitalizada uma vez para tratar de uma crise de hipertensão.
Initial plugin text

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.