Homem é condenado por mandar bomba para empresa de criptomoedas


Sueco de 43 anos teria enviado bomba após suporte técnico da Cryptopay se negar a trocar sua senha.
Quepe usado por integrantes da Polícia Metropolitana de Londres.
Divulgação/London Metropolitan Police
A polícia de Londres, na Inglaterra, anunciou que Jermu Michael Salonen, um sueco de 43 anos, foi condenado a seis anos e meio de prisão por mandar um pacote contendo uma bomba caseira para uma empresa de criptomoedas. A empresa, Cryptopay, conseguiu dar uma só possível explicação para a ação: o suporte técnico da companhia se recusou a realizar uma troca de senha para Salonen, que era cliente deles.
O pacote contendo a bomba foi aberto em 8 de março. O homem que abria o pacote suspeitou do conteúdo e chamou a polícia antes de abrir o pacote completamente.
“Felizmente, a bomba não foi detonada. Foi pura sorte que o destinatário abriu a encomenda pelo meio e não pela aba do envelope, que teria acionado o dispositivo, afirmou Clarke Jarrett, chefe do Comando Antiterrorismo da Polícia Metropolitana de Londres.
O pacote havia chegado em um prédio comercial em novembro de 2017 e ficou meses sem ser aberto. A Cryptopay não tinha escritório no local, mas, segundo a polícia, havia utilizado os serviços de um escritório de contabilidade naquele endereço.
A polícia conseguiu localizar Salonen através de vestígios de DNA no pacote, que foram remetidos para consulta na Interpol. Autoridades suecas prenderam o homem em maio, que também foi acusado de enviar cartas maliciosas. Na residência dele, que foi vasculhada pela polícia, foram encontrados componentes de explosivos.
No dia 9 de novembro, as acusações e provas levantadas levaram um tribunal em Estocolmo a condenar o homem a seis anos de prisão pelo envio da bomba e mais seis meses pelas demais cartas.
Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com
Selo Altieres Rohr
Ilustração: G1

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.