Dólar tem forte alta e fecha acima de R$ 5 pela primeira vez


Moeda norte-americana subiu 5,16%, negociada a R$ 5,0612. Na máxima do dia, dólar foi a R$ 5,0685. Ibovespa despenca 13,92% e dólar fecha a R$ 5,06
O dólar fechou em forte alta nesta segunda-feira (16), acima do patamar de R$ 5 e marcando mais um recorde nominal (sem considerar a inflação). O dia foi de nervosismo e abalo nos mercados globais, após um novo corte surpresa na taxa de juros dos EUA e com mais países fechando fronteiras para tentar frear a pandemia de coronavírus. Internamente, crescem as apostas de um corte na taxa Selic nesta semana.
A moeda norte-americana subiu 5,16%, negociada a R$ 5,0612. Na máxima, chegou a R$ 5,0685. Veja mais cotações.
A alta foi a mais intensa desde a disparada de 8,15% de 18 de maio de 2017, quando o mercado repercutiu as gravações do empresário Joesley Batista contra o então presidente da República Michel Temer.
Na parcial do mês, o dólar acumula alta de 12,95%. No ano, o avanço é de 26,22%. Na sexta-feira, o dólar subiu 0,51%, R$ 4,8127.
Já a Bovespa registrou o 5º ‘circuit breaker’ em seis pregões logo na abertura e fechou em queda de mais de 10%.
Bolsas desabam e petróleo cai mais de 10%; veja últimas notícias sobre os mercados
Mansueto diz que não faltarão recursos para a Saúde; entenda impactos do coronavírus na economia
Cenário externo
O Federal Reserve (Fed, banco central dos Estados Unidos) anunciou, em pleno domingo, a redução da taxa de juros dos Estados Unidos para a faixa entre 0% a 0,25%, o que agravou os temores sobre o impacto econômico da pandemia. Foi o segundo corte de juros em menos de duas semanas. A instituição também anunciou um programa de compra de US$ 500 bilhões em títulos do Tesouro e de US$ 200 bilhões em valores hipotecários.
Segundo analistas, a decisão dramática e inédita do Fed, apesar de buscar estimular os mercados, apenas destaca o quanto o coronavírus está afetando a economia global, forçando as autoridades monetárias a colocar em ação suas ferramentas disponíveis.
Na China, dados oficiais mostraram um tombo maior do que o previsto na economia. A produção industrial na China caiu 13,5% em ritmo anual nos 2 primeiros meses do ano, na primeira contração em quase 30 anos. Já as vendas no varejo recuaram 20,5% na comparação com os dois primeiros meses de 2019.
Expectativa de corte de juros no Brasil e medidas
No Brasil, as atenções da semana se voltam para a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que anuncia na quarta-feira (18) a nova taxa básica de juros. Com a decisão do Fed, aumentam as apostas do mercado de um novo corte na Selic, atualmente em 4,25%.
O mercado reduziu para 1,68% a estimativa de crescimento do PIB em 2020, segundo o boletim Focus do BC, divulgado nesta segunda. Os analistas também passaram a prever um corte da taxa básica de juros nesta semana, dos atuais 4,25% para 4% ao ano.
Já a projeção do mercado para a taxa de câmbio no fim de 2020 subiu de R$ 4,20 para R$ 4,35 por dólar. Para o fechamento de 2021, ficou estável em R$ 4,20 por dólar.
Segundo informou o Blog do João Borges, o Ministério da Economia já discute as várias alternativas para aumentar a disponibilidade de recursos para enfrentar a emergência da saúde das pessoas e da economia por causa do coronavírus. Uma delas é elevar o déficit fiscal previsto para este ano, que é de R$ 124 bilhões.
Nesta segunda-feira, o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou, em reunião extraordinária, medidas para facilitar a renegociação de dívidas numa resposta aos potenciais impactos do coronavírus sobre a economia brasileira.
Entenda: swap cambial, leilão de linha e venda direta de dólares
Conheça os impactos do avanço do coronavírus na economia global e brasileira
Variação do dólar em 2020
Economia G1

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.