BRF diz que impacto de restrições da Arábia Saudita será de no máximo R$ 45 milhões


Segundo a companhia, o ritmo anterior de exportações ao país deverá ser retomado em até 3 meses. A BRF teve um frigorífico proibido de exportar para a Arábia Saudita. Outros 8 continuam autorizados
Reuters/Paulo Whitaker
A BRF afirmou nesta quarta-feira (23) que as restrições da Arábia Saudita à importação de carne de frango, anunciadas na véspera, devem impactar seu faturamento em no máximo R$ 45 milhões durante três meses, período que levará para normalizar os embarques para o país. A perda estimada é equivalente a 0,1% da receita líquida nos 12 meses encerrados em setembro.
Segundo a fabricante de alimentos, as restrições sauditas abrangem apenas uma de suas fábricas, em Lajeado (RS), que exportava cerca de 6,5 mil toneladas por mês ao país.
“A companhia já iniciou os ajustes necessários em sua cadeia produtiva e estima que, em no máximo 3 meses, retomará o mesmo patamar de embarques para a Arábia Saudita”, disse a BRF em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
A BRF agora tem 8 fábricas autorizadas a exportar para o mercado saudita: 3 próprias, 4 da subsidiária SHB e uma do Frigorífico Nicolini, que terceriza sua produção para a empresa. A companhia diz que a capacidade de produção dessas unidades é suficiente para atender à demanda.
As ações da BRF caíram 5% na terça-feira.
Importação barrada
Arábia Saudita restringe compra de frango do Brasil
A Arábia Saudita, maior comprador de carne de frango brasileira, barrou a importação de 5 dos 30 frigoríficos brasileiros que exportavam para o país. A decisão foi tomada após uma inspeção técnica feita em outubro passado pela autoridade sanitária saudita Saudi Food and Drug Authority (SFDA), de acordo com o Itamaraty.
A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) disse que os motivos da proibição foram “técnicos”, sem especificar quais seriam eles.
Agora, 25 frigoríficos estão autorizados a exportar para a Arábia Saudita. Segundo o Ministério da Agricultura, essas unidades responderam por 63% das vendas de frango do Brasil para aquele país em 2018, o que corresponde a 437 mil toneladas.
Em 2018, o Brasil enviou para a Arábia Saudita 486,4 mil toneladas de carne de frango, o equivalente a 12,1% do total embarcado no ano. A China foi o segundo maior mercado e, na última segunda, acertou com exportadoras um acordo para encerrar uma disputa por conta do preço do produto.
Veja os 10 maiores importadores:
Maiores importadores de carne de frango do Brasil
Frango halal
A carne comprada pela Arábia Saudita segue os princípios do Islã tanto no abate, quanto na produção e é chamada de halal. Para produzir esse tipo de carne, empresas brasileiras tiveram que adaptar suas fábricas e efetivo.
Os animais devem ser mortos com o peito direcionado para a Meca e os sangradores têm que ser muçulmanos praticantes, por exemplo. O Brasil é o maior exportador de frango halal do mundo.

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.