Bovespa opera em queda acompanhando mercados externos


Na quarta-feira, Ibovespa teve alta de 1,6%, a 107.224 pontos. O principal índice da bolsa de valores brasileira, a B3, opera em queda nesta quinta-feira (6), acompanhando o clima negativo nos mercados externos.
Na Europa, os indicadores caem após empresas alertarem sobre lucros menores mesmo depois que bancos centrais tentaram aliviar o impacto do surto de coronavírus no crescimento global. Já nos Estados Unidos, os principais índices têm queda acentuada, com o aumento das mortes por coronavírus forçando a Califórnia a declarar estado de emergência, enquanto a demanda fraca por viagens prejudicava as ações das companhias aéreas.
Às 12h, o Ibovespa tinha queda de 1,91%, a 105.174 pontos. Veja mais cotações.
As empresas aéreas lideravam as quedas: Gol caía 7%, enquanto Azul recuava mais de 6%. Mais cedo, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) informou que o setor de transporte aéreo de passageiros pode sofrer perdas bilionárias este ano relacionadas à epidemia do novo coronavírus: entidade estima que as perdas globais de receitas devem ficar entre US$ 63 bilhões e US$ 113 bilhões.
Na terça, a bolsa encerrou o dia em alta de 1,60%, a 107.224 pontos. Veja mais cotações.
Entenda os impactos do avanço do coronavírus na economia global e brasileira
Corte nas expectativas
Na noite de quarta-feira, XP Investimentos cortou previsão para o Ibovespa para o final 2020 de 140.000 para 132.000 pontos, citando perspectiva de menor crescimento no Brasil e aumento da incerteza do cenário externo, mas manteve a previsão de 140.000 para o final de 2021.
“Vemos impactos negativos no curto prazo para a bolsa brasileira, tanto em potencial impacto nos lucros quanto no múltiplo de avaliação (Preço/Lucro)”, afirmou o estrategista-chefe, Fernando Ferreira, em relatório enviado a clientes, segundo a Reuters.
A revisão vem depois de ajustes de projeções de indicadores econômicos pela área econômica da XP, “após a clara deterioração recente no cenário externo, por conta do alastramento do coronavírus pelo mundo, e seus impactos nas cadeias de produção, movimentação de pessoas e retração da demanda”.
A equipe econômica da XP, liderada por Marcos Ross, revisou estimativas de crescimento do PIB para 1,8% em 2020 (de 2,3%), e de 2,3% para 2,5% em 2021, “devido ao efeito rebote de crescimento no próximo ano mais forte”.
Variação do Ibovespa – 04.03.20
Economia G1

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.