Armadilha do baixo crescimento: o Brasil come poeira


Em dezembro de 2011, os jornais britânicos divulgaram com destaque relatório do Centro de Pesquisas para Economia e Negócios (CEBR) de Londres, informando que o Brasil, naquele ano, havia ultrapassado o Reino Unido e passara a ser a sexta economia do planeta.
O jornal Daily Mail chegou a exagerar. Publicou artigo com o título: “Esqueça a União Europeia…aqui é onde o futuro realmente está”. Como ilustração, uma senhora fantasiada dançando o carnaval.
O Brasil, segundo o Daily Mail, não deveria ser visto como um país competidor, mas uma oportunidade de investimento para os britânicos.
Em 2010/11 a economia dos países europeus encolhia sob o impacto da crise financeira mundial que havia estourado em 2008. Em 2010, o Brasil havia crescido 7,5%. Estava bem na foto.
O tempo para comemoração foi curto. Já em 2012 a economia brasileira passou a exibir sinais de fragilidade, até mergulhar na recessão de 2015/16. Queda acumulada de quase 8% do PIB naqueles dois anos.
Com isso, o Brasil já perdeu três posições e, atualmente, é a nona economia mundial.
A inconstância de política econômica e a descontinuidade do crescimento levaram o Brasil a uma situação que alguns economistas definem como a armadilha da renda média.
Não é mais um país pobre, mas não avança em ritmo suficiente para que sua população se aproxima do nível de renda dos países desenvolvidos. Pelo contrário, vai ficando para trás em relação a outros países emergentes.
Tendência que ganhou ainda mais força depois da profunda recessão de 2015 e 2016 e da lenta recuperação vista em 2017 e que vem se repetindo em 2018.
Segundo a última pesquisa Focus, divulgada nesta segunda-feira (15) pelo Banco Central, o Produto Interno Bruto (PIB) deve crescer apenas 1,34% este ano. O indicador vem sofrendo cortes quase que ininterruptamente desde o início de março devido ao fracasso da reforma da Previdência, a greve dos caminhoneiros e ao avanço do calendário eleitoral.
O PIB per capita – que é o produto dividido pelo número de habitantes do país – ilustra bem essa armadilha (veja gráfico abaixo). Enquanto Chile e China decolam – o primeiro com histórico de responsabilidade fiscal e foco em educação de qualidade e o segundo com investimentos pesados em infraestrutura e crescimento contínuo há 41 anos –, o Brasil patina.
Evolução do PIB per capita – que é o produto dividido pelo número de habitantes do país

Já a Venezuela afunda em meio a uma inflação que deve chegar a 10.000.000%, cinco anos seguidos de recessão, queda na produção de petróleo e instabilidades política e social.
Em 1990, segundo os dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), o Brasil tinha um PIB per capita de US$ 6.961 – 19% maior que o do Chile à época. Para 2018, a projeção para o Brasil é de US$ 16.112 – valor 38% menor que o do vizinho andino. Os dados foram calculados em paridade de poder de compra, ou seja, levam em conta os diferentes custos de vida dos países e, por isso, são comparáveis.
A China, que há 28 anos tinha um PIB per capita seis vezes menor que o do Brasil, conseguiu nos ultrapassar em 2016 e deve se distanciar nos próximos anos, segundo as projeções do FMI. A Venezuela, por sua vez, faz o caminho inverso e deve amargar uma queda de 41% no PIB per capita entre 2013 e 2018.
Estamos bem distantes da realidade venezuelana, mas também passamos longe de China e Chile, que estão conseguindo vencer a armadilha da renda média. Afinal, o que trava o nosso potencial de crescimento?
São três grandes desafios, segundo os economistas. Aumentar a taxa de investimento, que é historicamente baixa e encolheu mais em meio à crise; melhorar a educação, já que ainda figuramos nas últimas colocações dos rankings internacionais; e fortalecer as instituições, eliminando inseguranças jurídicas e melhorando o ambiente de negócios.
Desafios fundamentais para o próximo governo.

Editoria de Arte / G1

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.