Argentinos protestam contra orçamento austero para 2019


Manifestação em frente ao Congresso, onde deputados debatem propostas, teve registros de confronto com a polícia. Argentinos protestam em frente ao Congresso
Martin Acosta/Reuters
Manifestantes e polícia entraram em confronto nesta segunda-feira (24) em frente ao Congresso da Argentina, em Buenos Aires, onde deputados debatem a proposta de lei orçamentária para o próximo ano, que pretende implementar medidas de austeridade para o país, imerso em uma séria crise econômica.
Segundo a imprensa local, manifestantes reunidos em frente ao parlamento teriam atirado pedras contra a polícia, que reagiu com balas de borracha e gás lacrimogêneo.
Entenda a turbulência econômica na Argentina e como isso pode afetar o Brasil
Dinheiro encolhendo e contas no vermelho: veja 11 perguntas e respostas sobre a crise na Argentina
O orçamento em discussão no Congresso propõe zerar o déficit orçamentário do país no próximo ano, através de fortes ajustes de gastos em diversas áreas do governo – em 2017, as contas públicas da Argentina registraram um déficit de 3,9% do PIB.
Também prevê a redução da inflação estimada em 42% neste ano para 23% no próximo, enquanto aposta em uma retração econômica de -2% neste ano e de -0,5% em 2019. O orçamento foi elaborado com base em uma taxa de câmbio média de 40,10 pesos por dólar, segundo a imprensa local.
Protesto é contra o orçamento austero para 2019
Martin Acosta/Reuters
A Argentina está imersa em uma crise cambial que veio à tona em abril e que não conseguiu apaziguar, apesar de ter concordado em junho um apoio financeiro do Fundo Monetário Internacional (FMI) de US$ 50 bilhões em três anos. No mês passado, foi acordado uma ampliação desse acordo de resgate, para US$ 57,1 bilhões até o final de 2021.
Aprovar o orçamento é uma prioridade para o governo, que está às vésperas de assinar esse segundo acordo. Para receber a ajuda, o governo argentino se comprometeu a alcançar o equilíbrio orçamentário em 2019, um ano antes do previsto anteriormente. Para 2020, o país deverá chegar a um superávit primário de 1% do Produto Interno Bruto (PIB).

https://g1.globo.com/economia

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.