Salles diz que 'muito provavelmente' óleo derramado no litoral veio da Venezuela, 'acidental ou não'


Segundo o ministro do Meio Ambiente, ‘tudo indica’ que produto veio de navio estrangeiro. Um relatório da Petrobras apontou que as manchas nas praias são uma mistura de óleos da Venezuela. O ministro Ricardo Salles durante sessão da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara nesta quarta-feira (9)
Vinícius Loures/Câmara dos Deputados
O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse nesta quarta-feira (9) que as manchas de petróleo derramadas em praias do Nordeste estão vindo “muito provavelmente da Venezuela”, atribuindo a informação a relatório elaborado pela Petrobras.
Um laboratório da estatal analisou 23 amostras do resíduo recolhido no litoral. Os técnicos compararam as moléculas com o material produzido pelo Brasil. Segundo relatório, o óleo encontrado não é produzido, comercializado e nem transportado pela estatal, mas uma mistura de óleos venezuelanos.
“Esse petróleo que está vindo muito provavelmente da Venezuela, como disse o estudo da Petrobras, é um petróleo que veio de um navio estrangeiro ao que tudo indica. Navegando próximo à costa brasileira”, disse durante audiência pública na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados.
A participação do ministro acontece em meio à contaminação de praias do Nordeste por manchas de petróleo. Desde setembro, pelo menos 138 locais em 62 municípios de 9 estados foram atingidos – Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.
O ministro foi convidado pelo colegiado para prestar esclarecimentos sobre o desmatamento da floresta amazônica. Inicialmente, o requerimento, de autoria do deputado Chico D’Angelo (PDT-RJ), era para uma convocação – o que obrigaria Salles a comparecer – mas foi convertido em convite ao ser aprovado pelos parlamentares.
A deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS), que também assinou o requerimento de convite ao ministro, foi uma das parlamentares que questionou o ministro sobre medidas do governo para conter o vazamento.
“Poderia lhe perguntar, e acho que é muito importante, as medidas emergenciais diante desse vazamento de óleo que já atinge 138 pontos em 9 estados do Brasil. Mas eu não tenho ilusão com as suas respostas”, disse. “Sério, ministro, eu lhe peço por escrito. Tanto o plano de combate ao desmatamento quanto ao plano emergencial agora para conter esses vazamentos.”
Salles afirmou que o Ibama e o ICMBio estão “trabalhando incessantemente desde o dia 2 de setembro”. Segundo ele, foram mais de 110 horas de voo de avião com sensoriamento remoto do Ibama desde o início do acidente, além de 80 horas de voo de helicóptero para reconhecimento aéreo.
O ministro também afirmou que já foram 100 toneladas de óleo recolhidas por essas equipes.
Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro não quis comentar o estudo da Petrobras quando questionado por jornalistas nesta quarta (9).
“A Petrobras disse, perguntem para o [Roberto] Castello Branco [presidente da Petrobrás]”, disse a jornalistas, na saída do Palácio da Alvorada.
O presidente já havia dito, nesta terça-feira, que investigadores já consideram um país onde o óleo foi extraído, mas não citou qual seria. Bolsonaro disse que “não poderia acusar um país”.
Abrolhos
O ministro foi questionado pelo deputado federal Julio Delgado (PSB-MG) sobre o leilão de sete blocos marítimos que ficam no litoral da Bahia, marcado para esta quinta-feira (10). O parlamentar alega que isso poderia causar danos ambientais ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos.
“Vai ter plataforma de petróleo muito nas proximidades de Abrolhos. E não vai ser um óleo cru que vai derramar de navio, não. Se tiver um vazamento lá, acabou a maior reserva ambiental do Atlântico Sul”, disse o deputado, cobrando medidas do governo.
Delgado citou decisão da Justiça Federal da Bahia desta terça-feira (8) para permitir o leilão desta quinta-feira, mas deixá-lo sub judice. Lembrou, também,
“No começo do ano, foi de vocês o cancelamento de uma nota do Ibama que receitava que não teríamos a exploração de petróleo na região de Abrolhos.”
Em ação civil pública movida contra o leilão, o Ministério Público Federal (MPF) alega que o presidente do Ibama liberou leilão das áreas mesmo depois que técnicos do órgão emitiram parecer dizendo que, em caso de acidente com derramamento de óleo, os impactos podem atingir todo o litoral sul da Bahia e a costa do Espírito Santo.
Ao responder o deputado, Salles disse que o incidente do óleo cru no litoral do Nordeste “importância, justamente, de um licenciamento, de um modelo, e de um sistema que seja de contenção de danos bastante eficiente”.
“O que foi subscrito pela presidência do Ibama não foi autorizar operações, foi simplesmente dizer que quando do licenciamento, e nesse aspecto temos total coincidência de visão [com o Ibama], quando do licenciamento dessas áreas é que se deverá obedecer com o total rigor, e essa demonstração do litoral que estamos vendo, temos total, a visão nossa é absolutamente coincidente quanto a isso”, disse.
Manifestantes do movimento “Abrolhos Sem Petróleo” chegaram a comparecer na audiência, com placas em defesa do parque marinho.
Initial plugin text

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.