FOTOS: Vão de Almas e a vila quilombola 'fantasma' no meio da Chapada dos Veadeiros


Região habitada por famílias kalunga se divide em pequenos ranchos, e o vilarejo ganha vida apenas durante semana de festejos. Ensaio em infravermelho foi feito no último dia da Festa de Nossa Senhora da Abadia. O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
No meio do Vão de Almas, uma das áreas habitadas de cerrado mais preservadas da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, existe uma vila repleta de casinhas de tijolos de adobe, telhado de palha e chão de terra batida. Construída por quilombolas descendentes de escravos fugidos e libertos de minas de ouro no século XVIII, os kalungas, esse vilarejo só ganha vida durante poucos dias do ano. No resto do tempo, é uma vila “fantasma”.
LEIA REPORTAGEM: Quilombolas de 39 comunidades se mudam por uma semana para vila feita só para romaria de Nossa Senhora da Abadia
As casas ficam dispostas aos dois lados de uma capela, dedicada a Nossa Senhora da Abadia. O pequeno templo, por sua vez, tem à frente a linha de postes de eletricidade, que só chegaram em 2017 e fazem coro com alguns outros poucos indícios de modernidade visíveis por ali. Entre eles: algumas casas com telhas de zinco em vez de palha, o grafite temático feito em uma das casas de adobe, algum vestígio de lixo plástico que ficou pelo chão.
Se não fossem esses detalhes, um viajante do tempo que acordasse hoje desnorteado na vila do Vão de Almas teria sérios problemas para definir se desembarcou no século 17, 18, 19… Dificilmente seu palpite seria o ano de 2019, em pleno século 21.
Dentre as crenças e superstições locais, uma delas é justamente sobre o rio à beira do qual fica a vila. O que no mapa tem o nome de Rio das Almas para muito kalunga é simplesmente o Rio Branco, e a troca de nome não parece ser à toa. O que se diz na região é que já morreu muita gente nesse rio, seja por afogamento, acidente ou suicídio. E que chamá-lo por outro nome evita atrair má sorte.
O G1 esteve no local durante os festejos de Nossa Senhora da Abadia, realizado todos os anos durante uma semana de agosto, dos únicos períodos em que o lugar sai de seu estado habitual e fica repleto de gente. Com participação estimada em quase 2 mil pessoas, o evento inclui romaria e rezas católicas, tradições dos congados africanos, jogatina, foguetório constante e muito forró.
Ao final da visita, com a vila praticamente esvaziada após a maioria das famílias voltar para suas pequenas fazendas, o cenário possibilitou a realização deste ensaio fotográfico. É o retrato de um vilarejo que passa mais de 350 dias no ano desabitado, com apenas a poeira circulando entre casinhas trancadas e quem sabe algumas almas do passado à espera dos próximos festejos.
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
Sobre as fotos
Este ensaio foi feito com uso de filtro infravermelho, que permite ao sensor da câmera digital captar e destacar frequências de luz de forma diferente do convencional. As imagens foram originalmente captadas com cor em tons de vermelho e passaram por edição para que se chegasse ao resultado final.
Agradecimentos: aos fotógrafos Marcelo Parducci e Antonio Saggese, especialistas em fotografia infravermelho que compartilharam um pouco de seus conhecimentos com o autor deste ensaio.
O vilarejo da comunidade kalunga do Vão de Almas, na Chapada dos Veadeiros, fica deserto o ano todo e praticamente só ganha vida durante a semana da Festa de Nossa Senhora da Abadia
Fábio Tito/G1
Initial plugin text

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.