Desmatamento da Mata Atlântica cresce em cinco estados do país, aponta levantamento


Enquanto a devastação da floresta está em queda no Brasil, MG, PI, PR, BA e SC seguem com “índices inaceitáveis de desmatamento”, afirma a Fundação SOS Mata Atlântica. Mata Atlântica perdeu 113 km² de floresta entre 2017 e 2018, aponta levantamento.
Divulgação/Ibama
A Mata Atlântica segue sendo devastada em cinco estados do país, de acordo com um levantamento feito pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O estudo aponta que, entre 2017 e 2018, o bioma perdeu 113 km² de floresta.
De acordo com o estudo, Minas, Piauí, Paraná, Bahia e Santa Catarina ainda apresentam degradação do bioma, na contramão do que vem sendo registrado no país. No geral, o Brasil teve queda de 9,3% no desmatamento deste tipo de floresta – o menor índice em três décadas.
Os dados são da 13ª edição do “Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica”.
Índices inaceitáveis
O desmatamento ameaça a preservação das espécies de plantas, animais, e também da água, já que a preservação da floresta leva à manutenção de leitos de rios e nascentes.
Para Mario Mantovani, diretor de políticas públicas da SOS Mata Atlântica, os índices são inaceitáveis porque demonstram inércia na aplicação de leis que já protegem o bioma – a Mata Atlântica é a única cobertura florestal do país que possui legislação específica – e porque estão associados à exclusão social, muitas vezes envolvendo até trabalho escravo.
Confira abaixo as principais atividades associadas à devastação nos estados:
Carvão
No caso de Minas e Bahia, por exemplo, Mantovani diz que a devastação ocorre devido à produção do carvão – a árvore é derrubada para queimar e produzir o carvão.
“O problema não é só parar a atividade carvoeira, mas tem famílias que vivem disso, famílias inteiras dentro do forno [de carvão]. Teríamos que pegar a cadeia produtiva e identificar quem está por trás. É um trabalho de inteligência para realmente diminuir o desmatamento”, afirma.
Soja
No Piauí, a Mata Atlântica está sendo derrubada para dar espaço à plantações de soja, explica Mantovani.
Celulose
No Paraná e em Santa Catarina, as araucárias têm sido derrubadas para a indústria da celulose, que produz papel, de acordo com Mantovani.
Mata Atlântica
A Mata Atlântica abriga cerca de 20 mil espécies vegetais, 261 espécies de mamíferos, 200 de répteis, 370 de anfíbios, 350 de peixes e 849 espécies de aves, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente. São formações florestais, restingas, manguezais e campos de altitude em 17 estados do país.
De acordo com a SOS Mata Atlântica, o bioma cobria originalmente 15% do território brasileiro. Mas, por estar presente na região onde estão as maiores cidades, atualmente resta apenas 1% da mata original. Mais de 92% da cobertura natural já foi eliminada.
Espécie ameaçadas
A Mata Atlântica é o bioma que acolhe maior número de espécies ameaçadas, tanto em números absolutos quanto em proporcionais à riqueza dos ecossistemas. São 1.026 animais ameaçados que vivem ali, sendo que 428 deles são endêmicos, ou seja, só existem em regiões de Mata Atlântica.
Desmatamento em MT ameaça maior águia do mundo e grupo de proteção à espécie oferece R$ 500 para quem encontrar ninho
Mico-leão-dourado se alimenta de frutos silvestres, insetos e pequenos vertebrados
Tiago Lima/Olhos da Mata Atlântica
Mata Atlântica é alvo de recuperação florestal no Brasil
Pixabay

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.