Malha aérea doméstica amplia queda em abril, aponta Abear


A malha aérea doméstica do Brasil, no acumulado de abril até agora, recuou para 36,8% da oferta de voos registrada no início de março de 2020 A malha aérea doméstica do Brasil, no acumulado de abril até agora, recuou para 36,8% da oferta de voos registrada no início de março de 2020, antes das medidas de isolamento social e de fechamento de fronteiras. Os dados foram divulgados na tarde desta sexta-feira (16) pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear). Atualmente, as empresas aéreas nacionais registram uma média de 882 partidas diárias, número muito próximo ao que se verificava em setembro do ano passado, quando havia 864 decolagens por dia, ou 36% da oferta regular.

O dado mostra uma piora no cenário para o mês. Até o dia 5 a média diária era de 960 voos domésticos, ou 40% do que foi verificado no início de março de 2020.

É o terceiro mês consecutivo de encolhimento da malha aérea doméstica, após as empresas aéreas terem registrado, desde maio de 2020, uma retomada gradual da operação, alcançando o pico de 1.798 decolagens diárias em janeiro, ou 75% da oferta diária de partidas em relação ao início de março de 2020.

O agravamento da pandemia já havia impactado a quantidade de voos em fevereiro, quando a média diária recuou para 1.469, o que equivale a 61,2% da malha aérea pré-crise. Em março, a oferta diária de voos domésticos teve novo recuo, com 1.177 decolagens, ou 49% da oferta regular de voos.

Leo Pinheiro/Valor

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.