Ideia de indicar Kassio Nunes ao STF surpreende ministros e auxiliares de Bolsonaro


A indicação, segundo fontes, “tem o dedo” do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho 01 do presidente A ideia do presidente Jair Bolsonaro de indicar o desembargador Kassio Nunes para a vaga de Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal (STF) surpreendeu ministros palacianos e membros do círculo mais íntimo do presidente Jair Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios. A indicação, segundo fontes, “tem o dedo” do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho 01 do presidente.
Nunes é cotado para substituir Mello, que vai se aposentar em 13 de outubro. A indicação precisa ser aprovada pelos senadores.

O nome do desembargador começou a circular no Palácio do Planalto na noite de ontem. Conselheiros habituais de Bolsonaro, como os ministros Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), Fabio Faria (Comunicações), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e o almirante Flavio Augusto Rocha, secretário especial de Assuntos Estratégicos, foram pegos de surpresa.

Entretanto, embora Bolsonaro pareça decidido, um dos auxiliares mais próximos dele afirma que “é prematuro apostar todas as fichas” em Nunes.

Para fontes, a indicação, se de fato ocorrer, terá sido por influência familiar. Uma fonte próxima da família Bolsonaro confirma que o filho 01 vinha conversando “há semanas” com o desembargador Nunes.
Jantar
A indicação foi assunto de jantar, ontem, envolvendo Bolsonaro, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP) e ministros da Corte. A informação é confirmada em caráter reservado por assessores próximos de Alcolumbre, que negam que ele tenha intermediado uma aproximação entre Executivo e o Supremo.
Na versão de interlocutores do presidente do Senado, o encontro não foi espontâneo. Já havia sido marcado a pedido de Bolsonaro para a apresentação do desembargador aos convidados. O jantar aconteceu na casa do ministro Gilmar Mendes, mas contou com a presença também de líderes do governo, como Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), que representa os interesses do Palácio do Planalto no Senado.
Se for confirmado, Nunes vai engrossar a ala do STF de perfil garantista, que tem como principais representantes os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski. São ministros que em diversos votos criticaram, por exemplo, prisões preventivas de prazo excessivo, as conduções coercitivas para depoimento, ou operações consideradas espetaculosas.
Kassio Nunes (ao centro)
Ramon Pereira/Ascom-TRF1

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.