Greve no Metrô de SP pode parar quatro linhas nesta quarta-feira, diz sindicato


A paralisação ainda será discutida em audiência virtual do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), na terça (11), às 14h O Sindicato dos Metroviários de São Paulo propôs uma greve para a categoria a partir desta quarta-feira (12) para reivindicar reajuste salarial e manutenção de direitos obtidos por acordo coletivo.

A paralisação ainda será discutida em audiência virtual do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), na terça (11), às 14h, e o resultado dessa negociação será colocado em consulta pela internet para votação dos trabalhadores também amanhã, entre 19h e 21h, informou o sindicato.

Entre as principais reivindicações dos metroviários estão o reajuste salarial de aproximadamente 10% — referente à inflação acumulada dos últimos dois anos — e a manutenção de direitos como os adicionais noturnos de 50% e de férias de 70% sobre o salário, segundo o coordenador do sindicato, Wagner Fajardo.

“O Metrô interrompeu as negociações e não quer dar nada de reajuste”, diz Fajardo. “Então, até o momento, não há indício de negociação e a nossa posição é por uma greve por tempo indeterminado”, afirma o sindicalista.

Se confirmada, a paralisação afetará as linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata (monotrilho), onde trabalham cerca de 7.200 metroviários. O sindicato propõe a paralisação de 100% dos funcionários dessas linhas.

As linhas 4-Amarela e 5-Lilás não estão incluídas na mobilização porque têm data-base em março, quando negociaram um reajuste cujo índice ficou em torno de 4%, também de acordo com o sindicato.

Não é a primeira vez que os metroviários de São Paulo ameaçam entrar em greve neste ano. No início de abril a categoria se mobilizou para ser incluída no grupo prioritário para a vacinação contra a covid-19. A reivindicação foi atendida.

Procurada hoje à tarde, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo avisou que “responderá em breve”. Já o Metrô não retornou até o momento da publicação deste texto.

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.