Dólar tem leve alta com expectativa por dados do Brasil e dos EUA


Moeda americana foi negociada a R$ 5,2284, alta de 0,03% Após o forte desempenho das últimas semanas, o rali do real fez uma pausa nesta semana. Sem notícias ou indicadores relevantes para repercutir, o mercado de câmbio permaneceu de lado durante a maior parte da sessão, alternando leves altas e quedas do dólar, enquanto investidores aguardam os principais eventos da semana.
No final da tarde, a moeda americana foi negociada a R$ 5,2284, alta de 0,03%, após tocar R$ 5,2521 na máxima intradiária e R$ 5,1974 na mínima. Os principais pares emergentes também operaram sem direção única. No mesmo horário, o dólar caía 1,15% contra o peso colombiano e 0,17% frente ao rand sul-africano, mas avançava 0,78% ante o rublo russo e 0,41% na comparação com a lira turca.
“Iniciamos a semana com a expectativa pela ata do Copom e o bom desempenho das commodities ajudando o real. Por outro lado, tem o ambiente político, com a CPI da Covid e também a denúncia sobre o suposto Orçamento paralelo trazendo alguma cautela”, diz Fernando Bergallo, diretor da FB Capital. “Além disso, não descarto alguma correção depois do movimento recente, ainda por conta dessa cuidado que o mercado demanda”.
Na semana passada, o mercado de câmbio reagiu de forma intensa à leitura de que o Banco Central pode acabar sendo mais inflexível e proceder com uma normalização completa da política monetária, ao contrário do que vinha sugerindo até então. O tom mais ‘hawk’ (inclinado à retirada de estímulos) foi, inclusive, refletido na pesquisa Focus desta semana, nota Sergio Goldenstein, consultor independente da Ohmresearch.
“O Focus de hoje mostra dados interessantes acerca das expectativas para o IPCA de 2022: considerando apenas as atualizações dos últimos 5 dias, a média caiu para 3,62% (ante 3,74% em 30/04) e a mediana declinou de 3,69% para 3,50% (continua em 3,61% para o total de respondentes)”, escreveu o ex-chefe do Demab, do BC, em seu perfil no Twitter. “Isso denota ancoragem das expectativas para 2022, que é a maior preocupação do Copom. Como a projeção de IPCA do cenário básico está em 3,4% (ante meta de 3,5%), incorporando Selic de 5,5% no fim de 2021 e 6,25% no fim de 2022, aumenta a probabilidade de normalização parcial.”
A mesma pesquisa Focus mostrou uma queda das projeções para o câmbio no fim do ano, de R$ 5,40 para R$ 5,35. A projeção para 2022 permaneceu em R$ 5,40.
Segundo o Rabobank, a combinação de payroll fraco na sexta-feira e, internamente, um BC mais ‘hawk’ (inclinado a retirada de estímulos) com números em queda da pandemia – ambos na semana passada – deram um suporte de curto prazo ao real. Ainda assim, o fato de que o ritmo de vacinação continua baixo – a média móvel de 7 dias está perto de 460 mil imunizados com a primeira dose – faz o banco manter a cautela sobre o rumo da moeda brasileira.
“As incertezas relativas à pandemia e o alto ruído fiscal ainda nos faz projetar um dólar perto de R$ 5,35 no fim do ano”, diz o banco holandês em relatório.

Pixabay

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.