Cedae diz que problema de qualidade da água deve ser resolvido nos próximos dias


Presidente da estatal fluminense negou que a situação vá prejudicar o andamento do leilão de privatização da empresa Estação de Tratamento de Água de Guandu: Cedae paralisou operação por algumas horas
Reprodução/Twitter/@CedaeRJ
O presidente da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), Edes Fernandes de Oliveira, afirmou nesta manhã que espera para os próximos dias resolução de problemas envolvendo abastecimento e qualidade de água fornecida pela estatal fluminense. O executivo negou que a situação vá prejudicar o andamento do leilão de privatização da empresa, previsto para ocorrer em 30 de abril. A companhia abastece de água 64 municípios do Estado.

Em entrevista ao jornal Bom Dia Rio, da TV Globo, Oliveira comentou notícias de que clientes da Cedae estão recebendo água com gosto e cor alterados, situação semelhante à do começo do ano passado. A crise da água de 2020, envolvendo a companhia, levou à demissão do então presidente da empresa, Hélio Cabral, em fevereiro do ano passado.

Fernandes explicou que, em monitoramento de rotina em 19 de janeiro deste ano, técnicos detectaram alterações na água bruta, próxima à Estação de Tratamento de Água Guandu (ETA Guandu) – a maior da empresa, e que atende principalmente municípios da Baixada Fluminense. Imediatamente, o material foi coletado, informou ele, e enviado para exame laboratorial.

Porém, devido às novas análises de contagem de algas na lagoa próxima à ETA Guandu, a Cedae adotou protocolo operacional definido no plano de contingência do Guandu, operando as barragens da captação e paralisando a ETA por algumas horas.
A estação voltará a operar hoje, quando a produção também será normalizada, informou ele. Ou seja: na prática, além de alterações na qualidade da água, clientes da Cedae também começaram a ter problemas de abastecimento essa manhã, com o desligamento do abastecimento.

Oliveira informou que todas as medidas para resolver os dois problemas estão sendo tomadas, e espera resolução de ambos nos próximos dias. No caso de abastecimento, a oferta de água deve estar normalizada até domingo, 24 de janeiro, informou ele.

Ele foi questionado se a situação atual poderia prejudicar certame envolvendo a companhia, esse ano. Está marcada para 30 de abril de abril desse ano abertura de envelopes para interessados em modelo de privatização da empresa, que não prevê venda do controle e, sim, oferta à iniciativa privada de concessões de serviços de distribuição de água e esgoto em quatro grandes blocos de municípios fluminenses.

O modelo de privatização foi desenhado com auxílio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Não, de maneira alguma [prejudicará leilão]” afirmou ele. O executivo frisou que a produção e tratamento da água continuará a ser feito pela Cedae, e a distribuição que ficará a cargo de concessionária ou concessionárias que vencerão leilão esse ano. “A produção [da água] continuará a ser feita pela Cedae. Todas as providências tomadas pela Cedae vão garantir qualidade da água [para futuras concessionárias]”, afirmou.

Deixe uma resposta

*

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.