Preço alto do milho no Brasil faz trading cancelar exportações

Parte da safrinha de milho vendida de forma antecipada para exportação, em negócios fechados ainda no ano passado, poderá ficar no Brasil para abastecer as indústrias de carne de frango e suína. Com o descolamento entre os preços praticados no Exterior e no mercado interno, tende a crescer o movimento de cancelamento de contratos externos – chamado de “wash out”. Isso porque, em algumas regiões, compensa pagar as multas de não cumprimento e vender o grão no país. Estimada em 50 milhões de toneladas, a safrinha brasileira começou a ser colhida no Centro-Oeste e no Paraná – que têm na segunda safra o maior volume produzido no ano. Do total previsto, estima-se que cerca de 14 milhões de toneladas tenham sido vendidas antecipadamente por produtores dessas regiões até o final do ano passado.

– O dólar estava muito favorável à exportação naquele período, e o preço estável no mercado interno. Isso estimulou os agricultores a fecharem contratos futuros – lembra Dadier Zamberlan, consultor sênior de gerenciamento de risco da INTL FCStone. Na época, a saca de milho na região de Sorriso e Sinop, em Mato Grosso, foi vendida entre R$ 16 e R$ 22. Hoje, granjeiros chegam a ofertar quase R$ 50 na região para abastecer criações de animais. Essa diferença de preço é suficiente para cobrir multas contratuais e, ainda, sair lucrando. O movimento é impulsionado por trades e também por produtores. No casos das empresas, os contratos já firmados são garantidos com o redirecionamento de grãos de outros mercados, como o argentino e o americano. – Quando uma trade vende o grão, não define a origem da produção. O compromisso é de apenas entregar o produto – explica Indio Brasil dos Santos, sócio da Solo Corretora.

Fonte: Notícias Agrícolas

Deixe uma resposta

*

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.